A FDA (Food and Drug Administration), órgão do governo dos EUA que regulamenta a produção e comercialização de produtos alimentícios e medicamentos, aprovou o primeiro tratamento para artrite felina baseado em anticorpos monoclonais. 

Esta é a primeira vez que a FDA aprova o uso de anticorpos monoclonais em qualquer espécie animal. Estes anticorpos são proteínas produzidas pelo organismo que se ligam a um vírus, bactéria ou célula cancerosa, ajudando o nosso sistema defesa a atacar o “intruso”. Os cientistas identificam um anticorpo que ataca a causa da doença a ser tratada, e o reproduzem através de clonagem.

publicidade

No caso do medicamento aprovado pela FDA, que se chama Solensia, o anticorpo usado é o frunevetmab, que se liga a uma proteína chamada fator de crescimento dos nervos (NGF, Nerve Growth Factor), impedindo que o sinal da dor chegue ao cérebro do animal.

Com o novo tratamento, mesmo os gatos mais idosos poderão ter uma vida confortável. Imagem: Rafael Rigues / Olhar Digital
Com o novo tratamento, mesmo os gatos mais idosos poderão ter uma vida confortável. Imagem: Rafael Rigues / Olhar Digital

“As opções de tratamento para gatos com osteoartrite são muito limitadas. Os avanços na medicina veterinária moderna têm sido fundamentais para prolongar a vida de muitos animais, incluindo gatos. Mas com vidas mais longas vêm doenças crônicas, como a osteoartrite”, disse o Dr. Steven Solomon, diretor do Centro de Medicina Veterinária da FDA.

“A aprovação de hoje marca a primeira opção de tratamento para ajudar a proporcionar alívio aos gatos que sofrem desta condição e pode melhorar significativamente sua qualidade de vida”, disse.

Antes da aprovação, o medicamento teve sua eficácia analisada em dois estudos conduzidos por veterinários, que avaliaram a capacidade dos animais de fazer “coisas de gato” típicas, como saltar em cima de móveis, usar a caixa de areia ou se limpar. Os que foram tratados com Solensia se saíram melhor que o grupo de controle, que não recebeu a droga.

Leia mais:

O Solensia foi desenvolvido pela Zoetis Inc., e deve ser prescrito por um veterinário. Ele é aplicado através de injeção uma vez por mês, com a dose sendo determinada pelo peso do animal. 

O medicamento tem efeitos colaterais como vômitos, diarréia, dores no local da injeção, descamação na cabeça e pescoço, e coceira na pele. Entretanto, eles foram considerados moderados e a FDA não viu razão para interromper o tratamento.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!