É bastante comum depararmos com discussões e comentários sobre ansiedade e pressões causadas pelas redes sociais, visto que cada vez mais gastamos tempo no mundo online. Um estudo, no entanto, indica que a situação pode não ser vista exatamente dessa forma, pelo menos quando o Instagram é utilizado.

Como foi realizada a pesquisa que mede a felicidade dos jovens no Instagram

  • Pesquisadores acadêmicos da Escola de Pesquisa de Comunicação da Universidade de Amsterdam analisaram mais de 210 mil mensagens diretas (DMs) do Instagram pertencentes a cerca de 100 adolescentes da oitava e nona série;
  • Os conteúdos das DMs dos jovens foram analisados para identificar se os participantes expressaram sentimentos positivos ou negativos;
  • Além disso, os entrevistados também foram solicitados a preencher uma dúzia de pesquisas quinzenais perguntando o quão felizes eles se sentiram nos sete dias anteriores.

Dessa forma, os pesquisadores chegaram no resultado: os adolescentes enviaram quatro vezes mais mensagens diretas contendo expressões de felicidade do que mensagens tristes no Instagram. Outra questão apontada pelo estudo é que não houve relação significativa entre as emoções expressadas nas DMs de um usuário e como ele se sentia na vida real.

publicidade

Leia também!

“Todas as manchetes que você vê nos jornais e as coisas que fizemos anteriormente sugerem que essa discussão tem relação com o tempo gasto nas mídias sociais e não com o conteúdo que você consome”, disse Tim Verbeij, um dos coautores da pesquisa, ao Fast Company.

Ao observar esse detalhe, Verbeij e os outros colegas do artigo analisaram o conteúdo real que os usuários encontram nas redes sociais. Com isso, essa prática não ficaria presa somente em apontar a conexão entre o tempo gasto nas plataformas e o bem-estar e a felicidade da pessoa.

Imagem: Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

Por outro lado, é necessário ressaltar que a pesquisa foi realiza durante a fase mais dura da pandemia da covid-19. Isso significa que a interação real era mínima e as redes sociais como o Instagram se tornaram uma forma de manter o contato com amigos enquanto os encontros pessoais estavam restritos.

“Nossa interpretação das descobertas é que o Instagram pode ser benéfico para o desenvolvimento emocional normal”, afirmou Verbeij, que falou sobre a relação entre a plataforma e o isolamento social. “Nesse caso, o Instagram pode ser muito benéfico para eles expressarem sua felicidade ou quando estão tristes, com seus amigos”, acrescentou.

Verbeij confessa que o resultado da pesquisa é surpreendente. “Acho que os adolescentes são melhores em gerenciar seu uso de rede social do que esperamos”, diz Verbeij. “Claro que eles podem passar muito tempo nas redes sociais e isso pode interrompê-los fazendo o dever de casa, mas também os ajudam muito a se comunicar com seus colegas”, completou.

De acordo com Tama Leaver, professor de estudos da Internet na Universidade Curtin da Austrália, o estudo com o Instagram serve como “um corretivo útil para o senso comum de que a maioria das mídias sociais é ruim na maior parte do tempo”. Ele também exalta a importância da pesquisa devido à compreensão diferenciada entre os jovens e o uso das redes sociais.

“Este é um estudo importante em grande parte porque se concentra em DMs por meio da doação de dados de arquivos próprios de adolescentes, o que permite uma janela significativa para espaços não públicos de rede social de jovens”, argumenta Leaver.

No entanto, ainda é preciso ter atenção e cautela com certos conteúdos que são propagados na internet e especialmente nas redes sociais. “Os danos on-line para crianças, como conteúdo de transtorno alimentar, automutilação e conteúdo de suicídio, têm impactos do mundo real em nossas comunidades”, explica Imran Ahmed, diretor executivo do Center for Countering Digital Hate.

Informações via Fast Company

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!